Que horas são?

quinta-feira, janeiro 06, 2011

Passado

Quando eu tinha 13 anos li um livro a mando da professora de literatura, era da série vaga-lume, não lembro o título, sei da história um conto sobre um rapaz que descobria ser de outro planeta, havia uma jovem apaixonada por ele e todo o romance fazia minha mente viajar. Na juventude tinha muita dificuldade em expressar meus sentimentos, guardava tudo bem dentro do coração e trancava para que ninguém pudesse conhecê-los, hoje sou um pouco diferente, acho que aprendi muito com o amor do meu filho. Mais naquela época me sentia diferente de todo mundo, sofria muito sem ter com quem desabafar e vejo muita adolescente passando pela mesma tortura nos dias de hoje, parece que nada mudou, ainda não dá pra conversar sobre tudo com os pais, será mesmo? Eu realmente quero acreditar na modernidade, nos benefícios e acreditar na aproximação de pais e filhos, no mundo de agora podemos saber mais sobre os pequenos, é só uma questão de querer. Por experiência própria sei que dá certo, conheço os desenhos prediletos do meu filho, sei quando ele está preocupado com alguma coisa e nunca deixo de dizer o quanto o amo, ele só tem 8 anos mais estamos crescendo juntos, eu aprendo e ele também, juntos sempre juntos. Gostaria de ter tido esta oportunidade com os meus progenitores, a distância era tão grande que ate nos dias de hoje, não conheço eles como gostaria.

Um comentário:

Amapola disse...

Bom dia, querida amiga.

Adorei seu texto. Me identifiquei demais. No meu tempo as crianças não tinham voz. Havia uma ditadura familiar que era sufocante.
Eu sempre prestava atenção em tudo, e agradecia a Deus pelas compensações.

Já que não se podia falar, eu pensava muito... As reflexões me ajudaram muito, desde muito pequena.

Depois, eu lia tudo que meus irmãos compravam. Isso foi muito bom.

Hoje falta é tempo para as pessoas ouvirem as outras.

Adoro os Blogs. A gente escreve, desabafa... É tanta coisa boa para se ler...

Desejo-lhe tudo de bom.
Beijos no coração.